1 de agosto de 2017

Ter filho ou "pet" - qual a melhor opção?

Não sou dona da verdade nem quero ser; NO ENTANTO, se a intenção for receber felicidade, darei meu ponto de vista sobre o que mais probabilidade tem, aqui MESMO, no primeiro parágrafo desse texto: ADOTE UM "PET"!

- E por que penso assim?

Seguramente é uma apaixonada por animais (dirão alguns)!

Certeza que odeia crianças (dirão outros)!

NEM UMA COISA, NEM OUTRA.

Sou bastante neutra nesses assuntos - até porque, ainda hoje, não "adquiri" pet, nem tive filho (não gerei porque não quis, nem adotei - mas sou super favorável à adoção)!

Criança e animal - por pixabay
Nesses mais de 40 anos (quantos mais, não vem ao caso), analisei as possibilidades e entendi que os "pets" só trazem felicidade, dão menos gastos e quase nenhuma "dor de cabeça" por inconvenientes!

QUEM PROCURA A FELICIDADE SEM MAIORES PREOCUPAÇÕES - um ou mais "pets", são recomendáveis!

Agora, se você tem instinto materno/paterno/familiar; não se preocupa muito com o presente, nem com o futuro que os aguarda; tem bastante recurso financeiro para dar alimentação, educação, meios de proporcionar saúde e segurança, tudo isso, além de muito amor, carinho e atenção - TENHA FILHO!

PETS, salvo cuidados básicos com saúde, alimentação e amor do dono, NÃO PRECISA DE MAIS NADA!  Jóias, casinhas, roupinhas fofas, casamentos, aniversários e festinhas são coisas para quem tem dinheiro sobrando e gosta de "LITERALMENTE" jogar ralo abaixo! 

Animais não se importam com essas coisas e nasceram para viver livres e "nus" (em pelo)!   Desculpe os que pensam diferente; mas, "frescurete" em excesso com bichos de estimação, que não entende muito da vida humana (fútil e desregrada) é pura psicopatia!

Por outro lado, quem diz "adorar" crianças e fizer questão de tê-las deverá se preocupar com demasiadas coisas!  Ter filho requer da pessoa atenção desdobrada, sem falar nos investimentos financeiros que a futura mãe ou pai (ou ambos) deverão fazer até que esse filho de torne independente (emancipado) ou adulto. Um dos maiores investimentos, a meu ver é com educação - dentro e fora de casa, isso, seguramente fará a diferença na vida dele no futuro.

Mas, talvez você seja do tipo que quer os dois: PET(s)  e FILHO(S) - nesse caso tiro o chapéu para você! Seguramente é uma pessoa com tempo, dinheiro e muito amor para dar!  Até porque se ninguém te obriga a tê-los (você quem quer), deverá se dedicar ao máximo a todos - não deixar faltar nada - MUITO MENOS PACIÊNCIA!

Falo isso porque vejo!  O que dá de gente que cria cachorro (cão de guarda) para usá-los como vigia, em casa, a "pão e água" e maus tratos - "não está no gibi"!

Outra crítica é sobre a "geração" de prole: por que, nos dias de hoje, mulheres engravidam sem um mínimo de aptidão para a maternidade?  Pessoas assim deveriam partir para a esterilização e em último caso o aborto (sou super favorável a ele - digam o que disserem - crime ou não)!  Mas, o melhor mesmo seria não engravidar.

Não há nada mais triste que ver um bebê recém-nascido jogado no lixo!  Algumas dessas criminosas ainda acha feio e pecaminoso abortar; até parece que JOGAR NO LIXO É ALGO SUPER NATURAL - deveriam pagar caro pelo que fazem!  

- Por que, ao invés disso, não encaminham a criaturinha para adoção?   Tanta gente boa que daria um braço por um bebezinho e essas "parideiras" descartam sem o menor pudor!

Quiçá agora entenderam o que quis dizer com a descrição, em caixa alta, do 5º parágrafo! Não sou uma apaixonada/desesperada por animais, tampouco por crianças; TODAVIA, não detesto, muito menos odeio, ambos!  Ainda hoje, tenho pensamentos positivos e interesse por adoção humana e animal; mas estou sempre postergando (no meu caso, o significado da palavra é adiando).  

Só decidirei por adotar criança ou animal o dia que tiver CERTEZA que terei todo o tempo do mundo para me dedicar!  Hoje sou uma mulher DO MUNDO, o meu tempo é dele, sou egoísta demais para repartí-lo!  Não me imagino viajando, curtindo a vida e tendo que deixar para trás, com o vizinho ou amigo, um bichinho meu!  Não me imagino tendo que deixar de viajar para cuidar da educação de crianças - esperar por suas férias!  

Infelizmente as pessoas não pensam assim - acham tudo muito fácil - até o dia que um traficante resolve "educar" o filho dessa pessoa; ou o (a) "cuidador (a)" envenena ou afoga o cão/gato/coelho/papagaio - depois reclamam!   

O jeito é não esquecer que "quase sempre, uma escolha anula as demais"!  Infelizmente é assim ou terá uma "vida meia boca" porque escolheu várias COISAS, quando podia ter, no máximo uma, e olhe lá!

Por Elane F. de Souza (Advogada, Autora e Administradora deste e de outros Blogs).
Postar um comentário